El negocio de las supersticiones en el mercado inmobiliario

En las últimas semanas hemos sido testigos de la compra por parte del gran magnate chino Wang Jianlin del Edificio España situado en la plaza del mismo nombre en Madrid. El edificio, que era propiedad del Banco Santander, ha sido comprado por  este empresario, uno de los hombres más ricos de China, por 265 millones de euros, esto supone alrededor de un 30% menos de lo que pagó el empresario Emilio Botín a Metrovacesa, que era la anterior propietaria del inmueble.

Jianlin ha puesto sus ojos en Madrid y, tras haberse hecho con el 20% del capital del Atlético de Madrid, ha mantenido reuniones con el fin de invertir 3.000 millones de euros en Campamento, zona al suroeste de la capital donde se situaban antiguamente cuarteles e instalaciones propiedad el Ministerio de Defensa. En la superficie de más de dos millones de metros cuadrados, el empresario dueño del grupo Wanda, especializado en centros de ocio y comercio, podría levantar un gran complejo de ocio, oficinas y comercio.

La inversión del grupo Wanda ha generado un “efecto llamada” sobre los inversores chinos, siendo ahora mismo los que ocupan el mayor porcentaje de inversiones respecto al total de capital extranjero invertido en el mercado inmobiliario español.

Pero ahora lo que nos preguntamos es si con las inversiones procedentes de China también vendrán sus supersticiones. En China el número ocho es el número de la suerte por excelencia, el precio de las tarjetas SIM es directamente proporcional a la cantidad de ochos que contenga, las matrículas con ocho son altamente cotizadas, y en el sector inmobiliario las oficinas situadas en la octava planta o en aquellas que contienen un ocho (18,28,38…) son mucho más caras que en cualquier otra planta ¿Empezará en España a subirse el precio de las viviendas u oficinas de estas plantas con el posible incremento de la demanda?

También hay que tener en cuenta que existen números menos afortunados y las plantas cuartas (cuatro se pronuncia en chino igual que la palabra “muerte”) o que contengan un cuatro son de las menos solicitadas.

Para los ciudadanos de Hong Kong es impensable adquirir una vivienda donde se ha producido una muerte no natural (suicidios o asesinatos), pero los especuladores inmobiliarios y aquellas personas con menos arraigo en este tipo de supersticiones (personal sanitario u occidentales residentes en la ciudad) compran estas viviendas a unos precios muy bajos, creen que el tiempo todo lo cura y que transcurrido un tiempo el valor de la vivienda subirá de nuevo.

El negocio ha llegado a tal punto que las inmobiliarias hongkonesas han establecido un ranking, se marca con cuatro calaveras aquellas viviendas con una historia extremadamente macabra y truculenta y que haya salido en los medios de comunicación, con tres calaveras aquellas donde se ha producido un crimen pero no ha tenido repercusión mediática, con dos calaveras si ha habido un suicidio pero tampoco ha salido en los medios de comunicación, y por último, con una calavera aquellas viviendas donde ha habido accidentes domésticos con fatal desenlace.

Pero no creamos que las supersticiones son únicamente de China, en Nueva York a día de hoy se siguen construyendo rascacielos en donde se pasa de la planta 12 a la 14. Según un estudio realizado por CityRealty sobre una muestra de 650 edificios de la gran manzana,  en menos de un 10% de los inmuebles se denomina correctamente el número de los pisos. Ésta es una “costumbre” adquirida por cuestiones de marketing: la mayoría de compradores no tendría ningún problema en comprar o alquilar una oficina o vivienda en un piso 13, pero las empresas no ganan nada reduciendo el posible mercado.

¿Se adaptará el mercado inmobiliario español a los nuevos inversores?

Photo by: Cirofono http://bit.ly/18Gg4Qt

compartilhe em suas redes sociais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Deseja mais informações sobre o que fazemos em Consultoria, Formação e Investigação en Facility Management?

Hola, ¿cómo
podemos ayudarte?

Rellena el siguiente formulario y te enviaremos el reglamento interno y código ético:

Olá, como
podemos ajudá-lo?

Participar do Observatório FM

Preencha o seguinte formulário e lhe enviaremos o regulamento interno e o código de ética:

Como participar?

Colaborar com o Observatório FM é uma decisão pessoal e voluntária, e não há vínculo contratual ou compensação financeira por isso.

Qualquer interessado pode solicitar a participação como líder de um novo projeto, ou se candidatar como colaborador a um já existente.

Uma comissão técnica avaliará o objeto dos projetos propostos e as solicitações dos participantes, decidindo quais serão realizados e por quem.

Cada pessoa decide quanto quer dedicar, dependendo da disponibilidade ou do tipo de projeto. O objetivo é que seja uma atividade altruística e não uma carga de trabalho adicional.

Em que consiste?

Na promoção e publicação de estudos que ajudem os profissionais do sector e para que os restantes compreendam a nossa profissão e disciplina.

Os resultados e outputs são compartilhados de forma aberta, sempre reconhecendo as contribuições de todos os seus autores e colaboradores.

A atividade do Observatório respeita a objetividade, a ética, o rigor e as boas práticas que regem a nossa área de Investigação.

Os colaboradores têm acesso às melhores ferramentas colaborativas, informações setoriais e contatos, além de contar com o auxílio de consultores especializados e investigadores de nível internacional.

Investigação

Observatorio FM

É uma plataforma que potencia o desenvolvimento e a difusão de conteúdo ligado ao Facility Management, aberta a todos os que desejem participar com o objetivo de partilhar pela comunidade. Nesse sentido, os pontos chave são uma participação ética, objetiva e desvinculada de outros interesses. Adicionalmente, cada participante define quanto tempo pode dedicar.

Pode participar como:

  • Líder: define u tema e coordena a atividade
  • Colaborador: participa no desenvolvimento dos conteúdos

Em troca, proporcionamos:

  • O estado da arte e as tendências relacionadas com cada tema
  • Acesso a especialistas
  • Ferramentas de colaboração
  • Design e uma plataforma de difusão para os conteúdos que sejam criados

A sua colaboração será sempre mencionada nos créditos dos trabalhos realizados em que tenha aportado a sua contribuição.

Investigação

Projetos

Fazemos parte do grupo de pesquisa europeu e trabalhamos em equipas internacionais para o desenvolvimento de diferentes tipos de iniciativas:

  • Financiamento público
  • Competições internacionais

Também trabalhamos para prestadores de serviços, que desejam suporte em decisões relacionadas a:

  • Posicionamento
  • Lançamento de produtos
  • Procura de sócios
Investigação

Normalização

Como especialistas credenciados nos processos de redação das normas europeias e internacionais de Asset e Facility Manangement, somos o parceiro perfeito para o ajudar com:

  • Alinhamento com os regulamentos
  • Assistência na certificação
  • Formação especializada

A FMHOUSE é a única empresa de consultoria de língua espanhola que participa destes processos

Investigação

Divulgação

Na FMHOUSE, pensamos que a evolução que está em Facility Management deve ser partilhado. É por isso que dedicamos um esforço para produzir e publicar os seguintes tipos de conteúdo abertamente:

  • Tendências nacionais e internacionais
  • Análises setoriais
  • Estudos de mercado

O Observatório FM” está aberto caso queira colaborar em qualquer publicação.

Consultoria

Ambiente de Trabalho

A visão dos espaços ou local de trabalho na perspectiva do Facility Management serve para entender essa necessidade como serviço, pois é necessário aplicar a mesma lógica e metodologia.

Em geral, oferecem:

  • Avaliação e otimização
  • Estratégias de design
  • Soluções e cenários
  • Bem-estar e produtividade

Aplicamos a nossa experiência em escritórios, mas também em espaços educacionais, centros comerciais e no ambiente industrial.

Consultoria

Benchmarking

Para tomar as melhores decisões, deve trabalhar com dados claros e precisos, tanto do mercado quanto da própria organização. Isso no ambiente do Facility Management é ainda mais crítico devido ao impacto que causa nos negócios.

Exemplos de tipos comparativos:

  • Custos de operação
  • Uso/alocação de recursos
  • Auditoria e avaliação de conformidade

Esses serviços são solicitados principalmente pelos usuários finais, mas também pelos fornecedores de serviços.

Consultoria

Experiência de Cliente

Tudo o que é feito em Facility Management visa satisfazer algum tipo de cliente, interno ou externo. Compreender o que eles sentem e precisam é a chave para poder oferecer um bom serviço a eles.

O nosso suporte é baseado em:

  • Avaliação de satisfação
  • Percepção do cliente
  • Modelos centrados nas pessoas
  • Gestão de mudança

Trabalhamos para entender e conhecer os clientes dos nossos clientes, de qualquer setor e tipo de negócio.

Consultoria

Transformação Digital

O mundo do Facility Management está a passar por uma profunda transição para ambientes digitais. Ajudamos os nossos clientes a entender o que isso significa e acompanhamo-los na mudança.

As nossas áreas de suporte são:

  • Digitalização de processos
  • Viabilidade e integração
  • Cultura digital
  • Resposta tecnológica

Atuamos como consultores independentes e não como vendedores de marca.

Aconselhamos os clientes finais e também os prestadores de serviços.

Consultoria

Modelos de Serviços

Qualquer tipo de empresa precisa definir ou melhorar a maneira como estrutura as atividades de suporte fornecidas pela Facility Management.

Os nossos principais produtos são:

  • Diagnóstico de estado
  • Dimensionamento de serviços
  • Grupos e modelos
  • Suporte em licitações
  • Assistência na implantação

A proposta está estruturada para medir de acordo com necessidades específicas.

Ajudamos os clientes finais e também os prestadores de serviços.

No FMHOUSE, são utilizados cookies propostos e alterados para melhorar os serviços mais recentes. Se você continuar navegando, considere que aceita novos recursos términos de uso y nuestra política de privacidade e de cookies