La Falsa Flexibilidad del Trabajo

A falsa flexibilidade do trabalho

O trabalho propriamente dito não é flexível e não está em discussão decidir se este deverá ser realizado ou não. O que pode acontecer é variar ou adaptar-se e é aqui que está a nuance, ou seja, é o momento, a forma ou o lugar em que uma determinada atividade é realizada. Depois de estes parâmetros terem sido bem determinados, devem ser propostas soluções que sirvam para todos, ou quase todos, sendo que, aí, surge também outro grau de flexibilidade: a capacidade de uma mesma solução satisfazer as necessidades dos diferentes indivíduos. A adequação desse modelo e a sua flexibilidade ou rigidez dependerão da habilidade do design, bem como do que é realmente procurado ou do que se deseja vender.

Em qualquer trabalho é suposto que os colaboradores “cumpram”, no entanto, na realidade o que se procura é que sejam produtivos, independentemente de tudo. O trabalho não deixa de ser uma relação contratual em que uma das partes paga para receber o compromisso da outra parte, sendo que, geralmente, é retribuído face ao número de horas. Podemos atribuir todos os vínculos que entendermos, no entanto, no final das contas, o custo de um funcionário precisa de corresponder a uma contrapartida para a empresa.  É tão simples quanto isso. Se o empregador disponibilizar as melhores ferramentas para o seu desempenho, obterá os melhores resultados. Se demonstrar confiança nos seus colaboradores, o relacionamento é melhorado e a produtividade aumenta. Se estivermos felizes com o nosso trabalho, é meio caminho andado. No entanto, cuidado! Se, com as ferramentas fornecidas, o trabalho puder ser feito em metade do tempo, quantas horas devemos contratar? Será um tema para outra publicação.

Equilíbrio trabalho – ambiente

É necessário conhecer a flexibilidade de todas as atividades de uma empresa e colocá-las numa matriz com o número de pessoas em cada grupo. Depois deverá ser identificado qual modelo que poderá dar a melhor resposta às necessidades dos grupos. Aqui surgirá um conjunto de soluções relacionadas com o espaço, mas também com o trabalho presencial ou com a velocidade de resposta. Este modelo não é apenas composto por tipos de empregos ou de espaços, deve incluir também políticas e compromissos da empresa e do colaborador, para que tudo funcione em harmonia. É nesse equilíbrio que estará o sucesso do modelo.

O trabalho de um rececionista ou de um operador de caixa de supermercado não é, de modo algum, flexível, pois requer a manutenção de um horário e a execução do seu trabalho a partir de um determinado local. São poucas as soluções alternativas. Um comercial, por outro lado, possui um trabalho flexível em termos de localização, mas não no horário, porque deve interagir com clientes a quem só terá acesso em determinados momentos. Aqui podem ser apresentadas soluções flexíveis de localização, mas com o cumprimento dos seus horários. Pode ser benéfico para quem trabalha para outros continentes, pois não devem estar no escritório, nem muito cedo, nem muito tarde.

Um terceiro grupo pode ser, por exemplo, os informáticos. Não têm um horário, já que o seu trabalho não é apenas estarem presentes. Precisam de produzir novos conteúdos e tal não acontece por magia. A inspiração vai e vem e, quando aparece, é de aproveitar. Possivelmente nem deveriam estar no escritório, uma vez que, com um portátil, poderiam trabalhar em qualquer lugar. É muito fácil, então, trabalhar em casa. Pois, cuidado: a Google admitiu que, durante o confinamento, o trabalho onde a queda de produtividade foi maior foi precisamente o dos programadores, na medida em que não tinham acesso aos mesmos sistemas que utilizariam no seu posto de trabalho habitual.

As soluções devem passar por um estudo exaustivo de cada caso e do impacto individual e geral do modelo proposto.

A flexibilidade é tempo e espaço

Considero que um trabalho é flexível a partir do momento em que é possível atender um cliente ou um colega a partir de sítios tais como: o carro, o elevador e, porque não dizê-lo, o banho! A flexibilidade deve estar associada às tarefas executadas pelos colaboradores num determinado momento e num espaço concreto. O que se deve fazer é definir, individualmente, quantas horas se pode trabalhar, desde onde e a fazer exatamente o quê. Com estes dados, poderia ser definida uma fórmula que se aplicasse à maior parte das pessoas.

Nesta equação, o espaço é um fator determinante da solução, uma vez que, como multiplicador de custos, fará com que as soluções se ajustem ao orçamento ou aos medidores e, sempre, influenciado pelo estilo de gestão. É importante dissociar a flexibilidade do trabalho do tipo de espaço atribuído aos colaboradores. Há anos atrás, ou estávamos no escritório ou não conseguíamos produzir, e é para isto que nos pagam. Evitar isto, hoje, ou não ter em consideração o compromisso de um funcionário é um risco que não deve ser tomado. Tudo isto foi agravado durante o periodo de confinamento. Os colaboradores contarão com as horas a que se comprometeram, seja de onde for e a fazer seja o que for.

compartilhe em suas redes sociais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Deseja mais informações sobre o que fazemos em Consultoria, Formação e Investigação en Facility Management?

Hola, ¿cómo
podemos ayudarte?

Rellena el siguiente formulario y te enviaremos el reglamento interno y código ético:

Olá, como
podemos ajudá-lo?

¿Cómo participar?

Colaborar con el Observatorio FM es una decisión personal y voluntaria, no existiendo vinculo contractual ni retribución económica por ello.

Cualquier persona interesada puede solicitar participar como líder de un nuevo proyecto, o postularse como colaborador en alguno ya existente.

Un comité técnico valorará la temática de los proyectos propuestos  y las solicitudes de los participantes, decidiendo cuáles se llevan a cabo y por quién.

Cada persona decide cuanto quiere dedicar, en función de  su disponibilidad o tipo de proyecto. El objetivo es que sea una actividad altruista y no una carga de trabajo adicional.

¿En qué consiste?

En promover y publicar estudios que sirvan de  ayuda a los profesionales del sector y para que  el resto entienda nuestra profesión y disciplina.

Los resultados y entregables se comparten en abierto, reconociendo siempre las aportaciones de todos sus autores y colaboradores.

La actividad del Observatorio respetará la objetividad, ética, rigor  y buenas prácticas que rigen nuestro área de Investigación.

Los colaboradores tienen acceso a las mejores herramientas colaborativas, a información sectorial y a contactos, además de contar con asistencia de expertos consultores e investigadores a nivel internacional.

Investigação

Observatorio FM

É uma plataforma que potencia o desenvolvimento e a difusão de conteúdo ligado ao Facility Management, aberta a todos os que desejem participar com o objetivo de partilhar pela comunidade. Nesse sentido, os pontos chave são uma participação ética, objetiva e desvinculada de outros interesses. Adicionalmente, cada participante define quanto tempo pode dedicar.

Pode participar como:

  • Líder: define u tema e coordena a atividade
  • Colaborador: participa no desenvolvimento dos conteúdos

Em troca, proporcionamos:

  • O estado da arte e as tendências relacionadas com cada tema
  • Acesso a especialistas
  • Ferramentas de colaboração
  • Design e uma plataforma de difusão para os conteúdos que sejam criados

A sua colaboração será sempre mencionada nos créditos dos trabalhos realizados em que tenha aportado a sua contribuição.

Investigação

Projetos

Fazemos parte do grupo de pesquisa europeu e trabalhamos em equipas internacionais para o desenvolvimento de diferentes tipos de iniciativas:

  • Financiamento público
  • Competições internacionais

Também trabalhamos para prestadores de serviços, que desejam suporte em decisões relacionadas a:

  • Posicionamento
  • Lançamento de produtos
  • Procura de sócios
Investigação

Normalização

Como especialistas credenciados nos processos de redação das normas europeias e internacionais de Asset e Facility Manangement, somos o parceiro perfeito para o ajudar com:

  • Alinhamento com os regulamentos
  • Assistência na certificação
  • Formação especializada

A FMHOUSE é a única empresa de consultoria de língua espanhola que participa destes processos

Investigação

Divulgação

Na FMHOUSE, pensamos que a evolução que está em Facility Management deve ser partilhado. É por isso que dedicamos um esforço para produzir e publicar os seguintes tipos de conteúdo abertamente:

  • Tendências nacionais e internacionais
  • Análises setoriais
  • Estudos de mercado

O Observatório FM” está aberto caso queira colaborar em qualquer publicação.

Consultoria

Ambiente de Trabalho

A visão dos espaços ou local de trabalho na perspectiva do Facility Management serve para entender essa necessidade como serviço, pois é necessário aplicar a mesma lógica e metodologia.

Em geral, oferecem:

  • Avaliação e otimização
  • Estratégias de design
  • Soluções e cenários
  • Bem-estar e produtividade

Aplicamos a nossa experiência em escritórios, mas também em espaços educacionais, centros comerciais e no ambiente industrial.

Consultoria

Benchmarking

Para tomar as melhores decisões, deve trabalhar com dados claros e precisos, tanto do mercado quanto da própria organização. Isso no ambiente do Facility Management é ainda mais crítico devido ao impacto que causa nos negócios.

Exemplos de tipos comparativos:

  • Custos de operação
  • Uso/alocação de recursos
  • Auditoria e avaliação de conformidade

Esses serviços são solicitados principalmente pelos usuários finais, mas também pelos fornecedores de serviços.

Consultoria

Experiência de Cliente

Tudo o que é feito em Facility Management visa satisfazer algum tipo de cliente, interno ou externo. Compreender o que eles sentem e precisam é a chave para poder oferecer um bom serviço a eles.

O nosso suporte é baseado em:

  • Avaliação de satisfação
  • Percepção do cliente
  • Modelos centrados nas pessoas
  • Gestão de mudança

Trabalhamos para entender e conhecer os clientes dos nossos clientes, de qualquer setor e tipo de negócio.

Consultoria

Transformação Digital

O mundo do Facility Management está a passar por uma profunda transição para ambientes digitais. Ajudamos os nossos clientes a entender o que isso significa e acompanhamo-los na mudança.

As nossas áreas de suporte são:

  • Digitalização de processos
  • Viabilidade e integração
  • Cultura digital
  • Resposta tecnológica

Atuamos como consultores independentes e não como vendedores de marca.

Aconselhamos os clientes finais e também os prestadores de serviços.

Consultoria

Modelos de Serviços

Qualquer tipo de empresa precisa definir ou melhorar a maneira como estrutura as atividades de suporte fornecidas pela Facility Management.

Os nossos principais produtos são:

  • Diagnóstico de estado
  • Dimensionamento de serviços
  • Grupos e modelos
  • Suporte em licitações
  • Assistência na implantação

A proposta está estruturada para medir de acordo com necessidades específicas.

Ajudamos os clientes finais e também os prestadores de serviços.

No FMHOUSE, são utilizados cookies propostos e alterados para melhorar os serviços mais recentes. Se você continuar navegando, considere que aceita novos recursos términos de uso y nuestra política de privacidade e de cookies