Las olas del Facility Management

As vagas do Facility Management

Até há bem pouco tempo, o termo “vaga” estaria relacionado com o mar, o surf ou algo relacionado com esse ambiente. Se hoje perguntar a alguém a que associa esta palavra, infelizmente dirão COVID e certamente perguntarão em que vaga já estamos?

No Facility Management, também experimentámos várias vagas nos últimos anos. Foram, na realidade, pontos de inflexão onde recebemos um sopro de esperança para o futuro da nossa profissão, mas depois desapareceram, mais ou menos rapidamente.

Primeira vaga

Tivemos a primeira no final de 1999, quando começaram os rumores sobre a realização de normas FM que ajudariam a dar o “reconhecimento definitivo” à profissão. O primeiro pico desta vaga foi em setembro de 2001, quando foi publicada a norma holandesa NEN 2748, que seria a base das primeiras normas regionais e o segundo pico deu-se um ano depois, quando, em novembro de 2002, foi criado um comité técnico para o desenvolvimento de normas europeias. “Todos vão estar envolvidos, será um projeto global” pensávamos. A dura realidade é que éramos menos de 25 pessoas, aquelas que mantiveram pulso firme, e a maioria das grandes empresas, clientes e fornecedores, ficaram de fora, à espera.

Tivemos de esperar quatro longos anos até 2006 para ver as primeiras normas publicadas: a CEN15221-1 e a CEN15221-2. Aqui deu-se a segunda onda e afirmámos: “Isto é definitivo, é o empurrão que o FM precisava para se lançar, agora ninguém pode parar isto”. No entanto, o tempo passava e nada acontecia. Continuámos a criar normas e mais normas. Chegámos a publicar sete, mas tudo permaneceu igual. Talvez não fosse esse o caminho.

Segunda vaga

A segunda onda apanhou-me no epicentro. Como membros do conselho da EuroFM, conseguimos que o Parlamento Europeu abrisse as portas para que o Facility Management fosse apresentado. Íamos finalmente fazer com que a voz do FM fosse ouvida. Naquela semana de novembro de 2010 realizámos reuniões de manhã e à tarde, com o intuito de garantir a presença do maior número de representantes possível. Aprendi o que significa fazer lobby. E como é difícil fazer lobby.

Chegou o dia e lembro-me de comentar que havia poucas pessoas, mas um dos assessores disse-nos que se tratava de uma boa plateia e que parecia ter despertado interesse. A apresentação correu bem, mas o importante foram as reuniões que marcámos de seguida. Acho que acabámos por lanchar três vezes naquela tarde. O feedback dos comissários foi, de um modo geral, semelhante. Afirmaram que tudo era muito interessante, mas que algo que abrange tantas coisas era difícil de entender e principalmente de vender internamente. Ali cada um se dedica a um tema específico e seria difícil para alguém assumir a liderança de algo que não está claramente dentro das suas competências. Aquela onda desceu mais fundo do que subiu, e garanto que subiu bem alto, porque realmente pensámos que seria como um novo amanhecer … “o dia em que o FM entrou no Parlamento Europeu”. A verdade é que saímos da mesma forma que entrámos, ou seja, sem qualquer ruído.

Terceira vaga

Quando estávamos prestes a atirar a toalha ao chão, algo aconteceu. A 11 de julho de 2011, o BSI, o órgão normalizador britânico, solicitou ao organismo internacional de normalização a criação de um comité para o desenvolvimento das primeiras normas FM ISO. Uma nova onda estava a começar, mas esta seria a definitiva. Ninguém poderia duvidar de um trabalho internacional, todos conhecem as ISO 9000 e porque não as 41000? Além disso, teríamos também um sistema de gestão certificável, o que mais poderíamos pedir?

Após vários anos de muito trabalho e uma melhor compreensão da visão do FM na Ásia, América ou África, as três primeiras normas foram publicadas em 2017 e o certificado MSS, ISO 41001 em 2018. “Esta é, sem dúvida, a onda mais longa e que, com certeza, mudará a posição da FM nas empresas” – pensávamos nós.

A verdade é que o tempo passa e não se detetam mudanças, pois não há um verdadeiro interesse e o mercado não responde conforme o esperado. Elaborei um estudo global com resultados surpreendentes. Mais de 50% dos 2300 responderam que não ouviram falar das normas e calculo que 95% dos profissionais do setor as desconhecem. É devastador ver que, quatro anos após a publicação, o efeito desejado não surgiu. Continuamos a fazer normas internacionais, muitas talvez! Não sei se é esse o caminho.

Quarta vaga

No que diz respeito ao Facility Management, em que fase estamos atualmente? Estamos muito emocionados porque esta é a definitiva, agora sim … depois do COVID, em 2021 parece que o trabalho do departamento foi reconhecido e que a partir de agora seremos tidos em consideração e seremos vistos de outra forma … ou não? Todos nos contactam para descobrir o que há a fazer; os prestadores, invisíveis têm sido tratados com um respeito nunca visto anteriormente e os responsáveis ​​pela área de FM são consultados e tidos em consideração na tomada de decisões, algo inacreditável, em muitas empresas, antes da pandemia.

Ainda estamos empolgados com a nossa quarta vaga, vamos ver quanto tempo dura ou se veio para ficar, até porque me vejo a reescrever este artigo daqui a dois anos, a afirmar que estaremos na quinta vaga e que tudo continua na mesma. Esperemos que o Facility Management, apesar de alguns augúrios, não desapareça.

David Martinez, PhD

CEO FMHOUSE

compartilhe em suas redes sociais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Deseja mais informações sobre o que fazemos em Consultoria, Formação e Investigação en Facility Management?

Hola, ¿cómo
podemos ayudarte?

Rellena el siguiente formulario y te enviaremos el reglamento interno y código ético:

Olá, como
podemos ajudá-lo?

Participar do Observatório FM

Preencha o seguinte formulário e lhe enviaremos o regulamento interno e o código de ética:

Como participar?

Colaborar com o Observatório FM é uma decisão pessoal e voluntária, e não há vínculo contratual ou compensação financeira por isso.

Qualquer interessado pode solicitar a participação como líder de um novo projeto, ou se candidatar como colaborador a um já existente.

Uma comissão técnica avaliará o objeto dos projetos propostos e as solicitações dos participantes, decidindo quais serão realizados e por quem.

Cada pessoa decide quanto quer dedicar, dependendo da disponibilidade ou do tipo de projeto. O objetivo é que seja uma atividade altruística e não uma carga de trabalho adicional.

Em que consiste?

Na promoção e publicação de estudos que ajudem os profissionais do sector e para que os restantes compreendam a nossa profissão e disciplina.

Os resultados e outputs são compartilhados de forma aberta, sempre reconhecendo as contribuições de todos os seus autores e colaboradores.

A atividade do Observatório respeita a objetividade, a ética, o rigor e as boas práticas que regem a nossa área de Investigação.

Os colaboradores têm acesso às melhores ferramentas colaborativas, informações setoriais e contatos, além de contar com o auxílio de consultores especializados e investigadores de nível internacional.

Investigação

Observatorio FM

É uma plataforma que potencia o desenvolvimento e a difusão de conteúdo ligado ao Facility Management, aberta a todos os que desejem participar com o objetivo de partilhar pela comunidade. Nesse sentido, os pontos chave são uma participação ética, objetiva e desvinculada de outros interesses. Adicionalmente, cada participante define quanto tempo pode dedicar.

Pode participar como:

  • Líder: define u tema e coordena a atividade
  • Colaborador: participa no desenvolvimento dos conteúdos

Em troca, proporcionamos:

  • O estado da arte e as tendências relacionadas com cada tema
  • Acesso a especialistas
  • Ferramentas de colaboração
  • Design e uma plataforma de difusão para os conteúdos que sejam criados

A sua colaboração será sempre mencionada nos créditos dos trabalhos realizados em que tenha aportado a sua contribuição.

Investigação

Projetos

Fazemos parte do grupo de pesquisa europeu e trabalhamos em equipas internacionais para o desenvolvimento de diferentes tipos de iniciativas:

  • Financiamento público
  • Competições internacionais

Também trabalhamos para prestadores de serviços, que desejam suporte em decisões relacionadas a:

  • Posicionamento
  • Lançamento de produtos
  • Procura de sócios
Investigação

Normalização

Como especialistas credenciados nos processos de redação das normas europeias e internacionais de Asset e Facility Manangement, somos o parceiro perfeito para o ajudar com:

  • Alinhamento com os regulamentos
  • Assistência na certificação
  • Formação especializada

A FMHOUSE é a única empresa de consultoria de língua espanhola que participa destes processos

Investigação

Divulgação

Na FMHOUSE, pensamos que a evolução que está em Facility Management deve ser partilhado. É por isso que dedicamos um esforço para produzir e publicar os seguintes tipos de conteúdo abertamente:

  • Tendências nacionais e internacionais
  • Análises setoriais
  • Estudos de mercado

O Observatório FM” está aberto caso queira colaborar em qualquer publicação.

Consultoria

Ambiente de Trabalho

A visão dos espaços ou local de trabalho na perspectiva do Facility Management serve para entender essa necessidade como serviço, pois é necessário aplicar a mesma lógica e metodologia.

Em geral, oferecem:

  • Avaliação e otimização
  • Estratégias de design
  • Soluções e cenários
  • Bem-estar e produtividade

Aplicamos a nossa experiência em escritórios, mas também em espaços educacionais, centros comerciais e no ambiente industrial.

Consultoria

Benchmarking

Para tomar as melhores decisões, deve trabalhar com dados claros e precisos, tanto do mercado quanto da própria organização. Isso no ambiente do Facility Management é ainda mais crítico devido ao impacto que causa nos negócios.

Exemplos de tipos comparativos:

  • Custos de operação
  • Uso/alocação de recursos
  • Auditoria e avaliação de conformidade

Esses serviços são solicitados principalmente pelos usuários finais, mas também pelos fornecedores de serviços.

Consultoria

Experiência de Cliente

Tudo o que é feito em Facility Management visa satisfazer algum tipo de cliente, interno ou externo. Compreender o que eles sentem e precisam é a chave para poder oferecer um bom serviço a eles.

O nosso suporte é baseado em:

  • Avaliação de satisfação
  • Percepção do cliente
  • Modelos centrados nas pessoas
  • Gestão de mudança

Trabalhamos para entender e conhecer os clientes dos nossos clientes, de qualquer setor e tipo de negócio.

Consultoria

Transformação Digital

O mundo do Facility Management está a passar por uma profunda transição para ambientes digitais. Ajudamos os nossos clientes a entender o que isso significa e acompanhamo-los na mudança.

As nossas áreas de suporte são:

  • Digitalização de processos
  • Viabilidade e integração
  • Cultura digital
  • Resposta tecnológica

Atuamos como consultores independentes e não como vendedores de marca.

Aconselhamos os clientes finais e também os prestadores de serviços.

Consultoria

Modelos de Serviços

Qualquer tipo de empresa precisa definir ou melhorar a maneira como estrutura as atividades de suporte fornecidas pela Facility Management.

Os nossos principais produtos são:

  • Diagnóstico de estado
  • Dimensionamento de serviços
  • Grupos e modelos
  • Suporte em licitações
  • Assistência na implantação

A proposta está estruturada para medir de acordo com necessidades específicas.

Ajudamos os clientes finais e também os prestadores de serviços.

No FMHOUSE, são utilizados cookies propostos e alterados para melhorar os serviços mais recentes. Se você continuar navegando, considere que aceita novos recursos términos de uso y nuestra política de privacidade e de cookies